terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Review Phc hair repair e a maravilha do "sachê"

Eu prometi e vou cumprir com a minha review! No maior estilo "quando em Roma, faca como os romanos", estou aqui na Suécia, comprando produtos capilares suecos para...CABELOS 100 POR CENTO BRASILEIROS! Vou falar nesse post da "Phc hair repair mask" (ou essa que está no sachêzinho aí em cima). Antes de mais nada, eu gostaria de parabenizar os criadores do sachê! É uma ótima idéia colocar produtos em sachês, porque se você comprou e não gostou, também não jogou seu dinheiro no lixo! Eu paguei 5 míseros reaizinhos nesse sachê e felizmente não me arrependi, mas se tivesse me arrependido, também não haveria problema algum, porque custou pouco e acabou após uma aplicacão. Perfeito!
Então se alguém sabe de outros produtos vendidos em sachês, favor me avisar, principalmente produtos de cabelo, porque eu adoro ficar mudando, experimentando, enfim...peruando!
Todos que acompanham o blog sabem que eu estava perdida na Suécia, tentando achar uma maneira de cuidar do meu cabelo meio negro, meio português, meio índio e meio um milhão de outras coisas, quando me deparei com o sloggan que pareceu conversar comigo: "Don't panic, we have it!" da "Kicks".
Comprei um sachê de uma máscara capilar, porque meu cabelo aqui nessas terras piora muito (a Paula do blog "Beleza sem fronteiras" me disse que é por causa da água aqui na Europa, aliás, o blog da Paula é muito legal, e vale a pena dar uma conferida! Eu olho sempre).
Pois bem saí da loja me achando esperta pela compra do abencoado SACHÊ! E fui muito esperta mesmo, se fosse ruim, eu saberia sem maiores traumas. O namorado viajou e eu fiquei aqui sozinha com meu Spa day! Banho de banheira com fizzer cheiroso e espuma, luva esfoliante, sabonete líquido novo e O SACHÊ!
Parece que a fórmula conta com muitos aminoácidos, o que me fez confiar mais no produto. Diz o sachê, que é necessário deixar a máscara no cabelo de 3 a 5 minutos, eu deixei uns dez porque estava lendo meu livro sobre a Olimpia Dukakis, que é muito interessante, e acabei esquecendo do tempo. 
Resultado: Meu veredito é nota 8! O cabelo ficou bem melhor, mais macio, mas nada de extraordinário!
Fiquei feliz com o meu cabelo e orgulhosa de ter sido espertinha e comprado o inigualavelmente "clever":

SACHÊ!  

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Mormors Bageri


Ontem fui a um lugar maravilhoso pertinho aqui de casa chamado "Mormors Bageri", uma confeitaria super fofa, que vende doces suecos ou "Swedish pastries", para ser mais abrangente. Em português seria a padaria da vovó! Um lugar delicioso, com coisas tão lindas quanto gostosas.
A minha escolha foi meio óbvia, porque nessa época do ano eles comecam a colocar na vitrine um doce mais lindo do que qualquer outra coisa, é claro que eu tinha que comer aquilo! Chama-se "semla":



Peguei meu pratinho, meu café com leite, e sentei toda feliz! Vamos explicar a "semla", é um pãozinho, cortado ao meio com marzipan dentro e bastante chantilly, um pouco de acucar de confeiteiro e só! Uma delícia! O doce do Matt era um pouco mais complexo, tinha cobertura de suspiro com chocolate e recheio de pêssego com chantilly também e algumas camadas de massa de torta bem molhadinha. Eu ainda prefiro a semla, porque o doce do Matt tinha nozes e eu nao curto nozes.

É uma pena que o site da confeitaria seja tão pobrezinho na internet, realmente não faz jus à maravilha que é!
Este é um post curtinho, mas vou deixando algumas fotos da felicidade que foi, e recomendo pra quem vier à Suécia, que passe por lá e coma um docinho!

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Festa no apê...





Minha vida é muito doida, e eu adoro! Hoje o Matt voltou da jam session dele e trounxe uns 13 amiguinhos pra esse nosso apartamento gigantescos bem nos padrões suecos!
Nenhum amiguinho era baixinho, claro, ainda no estilo europeu! O hall do apartamento tinha umas trocentas lanchas (leia-se pares de sapatos gigantesco, porque aqui na Escandinávia, não importa o quão "tough" você é, se entrar na casa de alguém, vai tirar o sapato e deixar no hall!).
Na festa, a única amiguinha era eu! Não, eu não vou reclamar, mas seria legal se nós pudéssemos ter pelo menos uma amiguinha em comum, né?
No fim, coube todo mundo, e eu, mesmo sem falar uma palavra de sueco ou dinamarquês, animei a festa com o mais óbvio possível: vídeos de skate! Foi o hit da festa e incluiu até os que estavam meio de lado das conversas. Veio também um amigo meio doido, dinamarquês que conhece o Mr. Catra (leia-se o funkeiro carioca!). Agora, O mr. Catra cantando funk na Dinamarca eu queria muito ter visto!
Pois é, toda vez que o homem me vê (já o conheco desde o verão), ele diz que eu tenho que ir pras festas do Mr. Catra no Rio.
Muito embora eu adore funk, não, eu não voù para as festas do Mr. Catra. Lembro bem da última vez...
Era festival de teatro no Rio (Rioemcenacontemporanea, eu acho), festinha dos artistas...tava eu lá!
Fui mesmo pra ver a Tati-quebra-barraco, que pra mim, é de alguma forma um dos últimos gritos to feminismo decadente!
Tati não apareceu, mas o Catra cumpriu com o combinado! Infelizmente, devido a condicões adversas, o homem não conseguiu cantar...(ok, isso ele nunca faz, mas dessa vez, nem articular as palavras tava rolando!).
Por essas e outras, não vou à mais nenhuma festa do senhor Catra!
Pra quem me acha esquisita, vai aí mais um indício: Estou sentadinha no canto da festa, observando e escrevendo. Me divertindo às pampas nessas minhas orgias literárias (não me entendam mal, por favor...)

#artistical imput! 

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

The Body Shop?

Ai que esse blog não tem linha, nem direcão...do jeito que eu gosto! Ele vai pra onde quiser, bem livre assim. A idéia inicial era escrever sobre a "The Body Shop", que é maravilhosa, mas quando eu fico sozinha ouvindo música, configura-se um problema sério. Passa tudo e mais alguma coisa pela cabeca, o silêncio inspira mas também assusta e acho que faco muito barulho pra não ter que conviver com o silêncio...
No meu dia "eu compro, sim, e estou vivendo" passei na "The Body Shop" que é uma loja de produtos com base natural e possivelmente toda uma filosofia "eco". Eu queria apenas um lip balm de lá, mas foi bem sofrido entrar e comprar uma coisa pequena só e poder contar pra todo mundo que sou controlada...
Entrei na loja e quis me virar sozinha, claro! A minha cara! Eu entendo tudo de cosmeticos e lojas, não entendo? Até composicão química eu leio, sem ser química nem nada.
Rodei, e rodei que nem barata tonta e não achei os lip balms que eu queria achar, tive de ser humilde e falar com a vendedora! A vendedora era um amor! Contei pra ela que era a minha primeira vez na loja, que no Brasil não tinha, que estava procurando lip balms e ela me mostrou alguns...
Eu sou fã dos sticks, e dos sticks, ela tinha dois tipos "cocoa butter" e "hemp", pensei em comprar o segundo pra parecer descolada, mas o cocoa butter tinha um cheiro bem melhor, então fiquei com ele mesmo.
O que eu achei do lip balm?
Perfeito!
Em dois dias de uso ininterrupto, meus lábios foram de muitas pelinhas a nenhuma num passe de mágica! Super cheiroso e tem um custo benefício razoável. Aqui, me custou 75 coroas, que pra saber em dinheiro brasileiro, basta dividir por 4. Quase 20 reais por um lip balm pequeno, mas q faz milagre, sim, e cheira super bem. Pronto! comprei tudo o que eu precisava! 
Não!
 Em cima do balcão tinha uma preciosidade: wild cherries body butter por metade do preco...30 coroas! Fui obrigada a comprar!

E não me arrependi! Cheirinho ótimo, que fica na pele por muito tempo! Uma delícia! O namorado também comentou. Ou seja...excelente custo-benefício!
No fim, pra fechar com chave de ouro, a vendedora ainda me deu uma amostrinha de uma linha nova chamada "Love etc...", era body butter também.
Sempre achei esse negócio de body butter meio palhacada...mas depois que experimentei, vi que não é, faz muita diferenca usar body butter ao invés de creme hidratante. A minha pele estava como eu nunca tinha visto igual, ferida de tão seca por causa do frio e do sistema de aquecimento que aparece que também resseca a pele. Usando esse santo creminho...pude notar uma sensível diferenca, eram as escamas de peixe indo embora da minha canela.
É...no fim falei da loja mesmo...apesar da solidão e do silêncio. A depressão criativa fica pra próxima...

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Malmö...a cidade desconhecida!


  Pra quem não conhece, esta é Malmö! Cidade na qual estou fixando residência por agora. E eu não vou falar do número de habitantes, características oficiais do lugar, moeda, ou coisa parecida (ok, pode até ser que eu cite, mas o objetivo não é falar disso, quem quiser saber, procura no Google), eu vou falar das minhas impressões porque sou egocêntrica e porque estou com vontade. 
  Como todos que acompanham o blog sabem, ontem saí sozinha e aproveitei pra tirar algumas fotos pro blog. Essa daí de cima é do canal no centro de Malmö que no verão é uma lindeza, mas no inverno fica assim (eu gosto também, mas não é lá muito colorido, né?)
  Eu saí de câmera em punho e fui á luta, ouvindo o bom e velho Bob Marley na minha caminhada até o centro. Logo ao chegar na rua principal, me deparei com uma coisa que acho super legal por aqui: A populaidade das bicicletas. A cidade é pequena e dá pra fazer tudo de bicicleta, quando não dá, as pessoas deixam suas filhinhas no ponto de ônibus, como na foto abaixo...  



  e pegam seus ônibus para seus destinos nesse ponto que não tem nada demais, mas eu acho fofo.


 Este ponto também tem uma segunda peculiaridade:

a lojinha misteriosa!



A lojinha misteriosa nada mais é do que uma "ampm" (acho que a gente ainda a chama assim no Rio), mas o mistério era o seguinte: eu nunca tinha entrado, porque o namorado nunca queria entrar, e eu nunca bati o pé porque a lojinha realmente não é nada demais, mas isso só aumentou meu sentimento de liberdade quando saí sozinha e finalmente ENTREI NA LOJINHA!

E a lojinha...

Não era nada demais!

Como eu imaginava! Uns doces, umas revistas...peraí! As revistas eram legais, até tirei foto de uma super bonita com a Penélope Cruz na capa, que falava sobre a paixão dela por sua profissão, super legal...custava uma fortuna, mas era legal, então registrei também.



 Pra quem não conhece Malmö, este post é quase inútil, porque fala de um ponto de ônibus, uma lojinha e Bob Marley, mas vamos olhar pelo lado bom: também tem o canal! E o mais importante: é apenas o primeiro de muitos que virão!

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

"Don't panic, We have it!"

                                               Bom, vou comecar este post atacando, porque a melhor defesa é o ataque. Sim, vou escrever mais uma vez sobre beleza, não, não sou totalmente fútil, mas ando meio de saco cheio de ser intelectual. Decidi me dar um descanso de 3 meses depois de uma graduacão, umas 10 pecas de teatro, English teaching, Drama teaching, uma pós graduacão...ufa! Tô cansada! Só tenho 26 anos e o mestrado pode esperar mais um aninho, por enquanto estudo sueco, dou andamento a minha vida afetiva (que pela primeira vez em alguns anos anda muito bem, obrigada!) e escrevo pra esse blog.
Acho bem divertido ter tempo pra escrever e pela primeira vez ter essa facilidade para publicar, estou adorando a experiência. Enfim, nos próximos meses estarei morando em Malmö na Suécia e tentando dividir o que estou vivendo, porque sempre me compreendi melhor publicamente, talvez por isso tenha me tornado professora e atriz.
Hoje foi um dia marco pra mim, a primeira vez em que saí sozinha pra procurar fazer o que eu gosto de fazer na cidade. E o que eu gosto de fazer no meu tempo livre? Catar o que comprar em lojas de livros, cosméticos, farmácias! O peculiar é que mais cato do que compro! passo duas horas catando olhando e volto pra casa com 6 coisas, todas com ótimo preco pra que eu possa me sentir esperta!
Hoje foi um desses dias. Catei, catei e comprei umas coisas legais:
- Fizzer pra banho de banheira; (Êba!)
- Sachê da Phc (professional hair care. Nunca tinha ouvido falar, depois li e vi que era produzido em Estocolmo...vai ver é por isso, a Suécia não me pareceu muito cosmopolita até agora! Depois escrevo uma review sobre este sachê de mascarade tratamento pra cabelos muito, super hiper, extra danificados, tipo o meu cabelo, que é um ingrato!);
- Body butter de savage cherry da "The Body Shop", loja maravilhosa que depois vai merecer um post só pra ela também!);
- Lip balm de cocoa butter da mesma lojinha fofa; (Ganhei uma outra body butter da vendedora que era fofa e vai merecer uma resenha logo)
- Máscara de hidratacão para os cabelos da Elvital (vulgo L'oreal, pra quem é do Brasil-sil-sil)
- Luva esfoliante pra banho

E SÓ!

Viram? Andei durante 2 horas na rua fofa chamada Stortorget e comprei 6 coisas super baratas! É Rea aqui na Sueca, liquidacão...essa palavra eu aprendi beeeeeeeeem rápido!
A loja mais interessante foi a Kicks (ok, a "The Body Shop" também é o máximo, mas a Kicks tem mais variedade). E para mim que estava entrando em panico sem conseguir achar minhas coisas e imaginando como diabos ía conseguir desembaracar meu cabelo com condicionador sueco, foi maravilhoso encontrar a boa e velha máscara da Elséve na Kicks que tinha o slogan perfeito pra mim hoje:

"DON'T PANIC, WE HAVE IT!"

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Minhas impressões da Suécia II

Hoje minha aventura aqui nessas terras foi tentar encontrar um condicionador decente pro meu cabelo que é muito bonitinho mas também ordinário, como diria Nelsinho...
Fui eu, toda bonita, pro Triangeln...um shopping aqui perto de casa que tem as lojas mais sem graca que eu já vi na vida. Com excecão da H&M, da qual sou fã de carteirinha, e de uma com uns casacos maravilhosos!
Eu estava toda feliz achando que a linha comercial da Schwarzkopf chamada Gliss iria dar jeito no meu cabelo, mas é claaaaaaaaro que não rolou! Enquanto as brasileiras tentam reduzir o volume dos cabelos, as suecas tentam aumentar! Um inferno!
E eu? O que vou fazer? Vou a uma afroshop, claro! Afroshops são assim chamadas por aqui porque têm produtos para negros (e um monte de porcaria também), fui pra lá achando que ía me encontrar...nada disso!
Nas afroshops tem é muita porcaria! Pelo menos nas que eu já fui até hoje. Eu entro e compro qualquer coisa que os vendedores me empurram porque morro de medo deles! Pois bem, comprei um bendito de um negócio lá que eu achei que serviria como condicionador, como me empurrou a vendedora. Cheguei em casa e fui testar. Nada serve...e ainda tive que aguentar meu namorado me dizendo que me avisou desde o início que eu forco muito a barra pra dizer que sou negra!
Sou sim, uai! Metade!
Metade uma coisa e metade outra!
Aqui na Suécia é assim, eu olho pro lado e não vejo mulatas como eu...só tem gente com pedigree!! Nada de vira-lata que nem eu!
Mentira!
Tem mulata sim!
Em outdoor, na TV, ou em propaganda! Mulata que nem eu, aqui, só modelo! Pior que no Brasil...não passariam de bonitinhas, ou sei lá...e aí eu achei muito engracadinho e comecei a me indignar com esse negócio. Por que é que aqui meu padrão estético é de modelo e no Brasil não sou nada demais? Racismo, claro! Na minha cabeca só poderia ser!
Quando vem minha sogra em toda a sua simplicidade de fadinha e me convence:

- As pessoas gostam muito da aparência que é o oposto da que elas têm...

Sim, sogrinha...é verdade...as coisas às vezes são mais simples do que a gente quer pintar!
E mais uma vez...vitória da simplicidade!

sábado, 8 de janeiro de 2011

Minhas impressões da Suécia.

Pode até parecer meio esnobe da minha parte achar interessante escrever sobre o que eu acho da Suécia, mas como muita gente por aqui e pelo Brasil também anda me perguntando, vamos lá, vamos dizer o que eu achei sem cedilha!! (não rola cedilha no teclado sueco!)

Primeiro evento marcante: O natal!

O natal aqui é bem parecido com o do Brasil, pelo menos eu achei! A comida na casa dos meus sogros é bem tradicional, eles moram no interior e tal, então deu pra eu ter uma nocão (ó a falta do cedilha aê!). A grande diferenca, pelo menos em relacão ao Rio, é que aqui natal parece natal, entende? Pelo menos aquele padrão europeu que os brasileiros passam a vida tentando imitar. (ok, ok...agora estamos tentando nos dedicar a algo mais tropical, mas eu bem me lembro da galera colocando algodão na árvore pra imitar neve!)
As ruas ficam todas iluminadas, tem neve de verdade por toda a parte, e árvore de natal cresce em qualquer esquina, eles só colocam as luzes...a neve vem sozinha pra festa também (bem independente, ela!)
No dia 24, tudo comeca igualzinho no Brasil, só que o almoco meio que se confunde com a ceia, que comeca às 18 ou 19h (não sei se foi só na casa da minha sogra, mas eu já estava com bastante fome). Comeca a ceia, chega a vó, que tem muitos anos, mas mora sozinha (aqui, tem uma pessoa do governo que aparece com certa frequencia para ajudar na limpeza da casa e no que mais o idoso precise - coitados dos velhinhos do Brasil se forem precisar de algo parecido. Ou familia tem grana pra pagar enfermeira, acompanhante, asilo bom, ou já era pro velhinho, vai ter que se contentar com a maneira que a família sem grana decidir tratá-lo). Bom deixando o assunto "idosos" de lado e voltando ao natal...
Na ceia muitas coisas são servidas, assim como no Brasil. Tem uma coisa que eles chamam de tentacão de anchovas da qual eu não gostei muito. É basicamente anchova com batata, mas eu não curti  muito, não. Outra coisa que eles comem é o "sil", um peixe cru em conserva que nem os próprios suecos curtem, mas meu namorado seeeeeeeempre tenta me fazer comer, porque ele é o único que eu conheci por aqui que gosta! Fora essas coisas, tem as famosas meatballs pequenininhas com molho remoulade que eles sempre fazem e eu curto bastante, salada de repolho roxa (não sei o que eles misturam, mas fica gostoso), salada verde e o rei da noite: O presunto! rsrsrsrs
A coisa mais maravilhosa do natal aqui, pelo menos eu acho é um bolo de chocolate que a minha sogra faz com um chocolate chamado "After eight" por cima. Nossa! É de comer rezando! After eight é um chocolate inglês que muita gente parece conhecer, tem um gostinho de hortelã e eu ainda não conhecia, o que me fez me apaixonar ainda mais pelo bendito do bolo. Minha sogra cozinha muito bem, by the way!
O mais curioso do natal são as duas tradicões mais sueco-brasileiras que eu já vi. A primeira é o Julmust...vulgo, mineirinho! rs Igual a Mineirinho! E os suecos todos orgulhosos porque eu tinha adorado, mas eu só adorei porque é  Mineirinho! rs Pra quem é extra-terrestre, mora no Brasil e não conhece, Mineirinho é um refrigerante das antigas feito de sei lá o quê, que é maravilhoso. Então, se você, como eu, curtia Mineirinho e acha a Suécia fina e evoluída socialmente, pode se sentir refinado, baby!
However...pelo que eu percebi por aqui, a maior tradicão é mesmo o glögg, uma bebida quente feita com canela, gengibre, ervas, álcool, percebeu alguma semelhanca?
É isso aí, minha gente, o chiquérrimo glögg, nada mais é... que quentão!!! O nosso bom e velho quentão das festas juninas!
Vou ficando por aqui, com essa parte um das minhas impressões, que fala apenas sobre o natal.
Consideracão final: Conexão Brasil-Suécia, vai muuuito além da Rainha! rs