terça-feira, 17 de maio de 2011

Quando questionam a sua competência...

Ô semaninha difícil essa que mal começou! Voltei a trabalhar e já voltei a enfrentar questionamentos a respeito da minha competência. Eu já deveria estar acostumada, já que enfrentei tantas vezes esse tipo de coisa e no fim venci em todas elas. Mas justamente por ter vencido todas as vezes, aparece o medo do velho ditado "pra tudo na vida há uma primeira vez!"`

Pode até parecer hilário se tratando de uma pessoa como eu, que tem um ego do tamanho de um bonde, sendo inflado diáriamente há 26 anos quase 27, mas tenho realmente buscado ser uma pessoa melhor, e encarar o que aconteceu da forma mais positiva possível, mas tá difícil...

Dentre as coisas que estou aprendendo, está o não julgar o próximo (difícílimo pra alguém crítica como eu), eu tento tento, mas o sentimentozinho de ódio não sai de dentro de mim, principalmente quando mexem com o que é sagrado no meu conceito: Teatro + educação. Sim, porque quando você está num processo apenas como ator, é papo de adulto, briga de cachorro grande, mas quando você está em um processo a frente de um grupo de alunos, aí o buraco é mais embaixo, eu me rôo toda pra passar o melhor do melhor de mim, e isso envolve muito mais do que técnica teatral! E aí acabo julgando meu colega de trabalho...o que não está certo! Mas por fim...fica muito mais difícil saber o que está certo ou não nesse caso.

Depois me passa pela cabeça questionar toda a credibilidade que nutria no ser-humano, e aí já é maluquice, né, Marília... você não é bicho, vai ter que aprender a se enturmar com os teus! E aí me lembro porque cansei da classe teatral, da falta de união, da falta de respeito e da falta de tudo mais.

Bom...feliz ou infelizmente, venho de uma família de atores, e não é piegas no meu caso dizer que a arte corre na minha veia, não tenho como abandonar. Eu simplesmente sei o que fazer se me jogam no palco, na frente de uma câmera, ou me colocam um texto na frente. Sendo bom ou ruim o que eu faço, sendo quimera minha o que eu sinto, simplesmente me absorve, me consome e me chama feito íma.

Mil perdões pelo desabafo quase piegas, mas tava precisando... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário